Quinta-feira
09 de Abril de 2020 - 
Menu

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,21 5,21
EURO 5,66 5,66

Previsão do tempo

Hoje - São Paulo, SP

Máx
23ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - São Paulo, SP

Máx
24ºC
Min
14ºC
Possibilidade de Chu

Sábado - São Paulo, SP

Máx
24ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - São Paulo, SP

Máx
24ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

News

Ex-prefeito de Piratininga é condenado por improbidade administrativa

Empresa do filho foi contratada sem licitação.           A Vara de Piratininga condenou Odail Falqueiro, ex-prefeito de Piratininga, por improbidade administrativa. A decisão determina o pagamento de multa civil correspondente a vinte vezes o valor da remuneração percebida como prefeito no último mês de seu mandato; suspensão dos direitos políticos por três anos, a partir do trânsito em julgado; e proibição de contratar com o Poder Público, ou receber benefícios ou incentivos fiscais, pelo prazo de três anos.         Consta nos autos que o réu celebrou convênio com empresa para realização da Festa do Peão Boiadeiro nos anos de 2010, 2011 e 2012, sem licitação ou, ao menos, procedimento que justificasse a dispensa do certame. Além disso, a empresa contratada era presidida pelo próprio filho do ex-prefeito.         De acordo com a juíza do processo, Ana Carla Criscione dos Santos, o ex-prefeito violou os princípios da Administração Pública ao praticar dispensa irregular de licitação. “A contratação com dispensa de licitação somente se dá quando se torna impossível a licitação formal ou, quando esta, sendo realizada, frustre a própria consecução dos interesses públicos”, escreveu a juíza na sentença. “No caso dos autos, não houve sequer procedimento administrativo para justificar a dispensa da licitação”.         A magistrada ressaltou que, apesar de não ter havido prejuízo ao Erário – os valores cobrados eram compatíveis com os praticados no mercado – , a dispensa irregular de licitação, com favorecimento de familiar, configura ato de improbidade administrativa: “não é crível que o prefeito imaginasse que poderia contratar seu próprio filho, por três anos consecutivos, por meio de interposta empresa com endereço em prédio público e, mais ainda, sem licitação”. E concluiu: “A irregularidade consiste, pois, na indevida dispensa de licitação para contratação, pelo prefeito, de empresa pertencente ao seu filho e, após, a terceira pessoa”.           Processo nº 0000116-68.2015.8.26.0458                    imprensatj@tjsp.jus.br           Siga o TJSP nas redes sociais:         www.facebook.com/tjspoficial         www.twitter.com/tjspoficial         www.youtube.com/tjspoficial         www.flickr.com/tjsp_oficial         www.instagram.com/tjspoficial
15/02/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.