Domingo
15 de Setembro de 2019 - 
Menu

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,06 4,06
EURO 4,50 4,50

Previsão do tempo

Hoje - São Paulo, SP

Máx
30ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - São Paulo, S...

Máx
33ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Terça-feira - São Paulo, SP

Máx
25ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - São Paulo, SP

Máx
30ºC
Min
17ºC
Poss. de Panc. de Ch

News

Tribunal prorroga validade de concurso para escreventes das 1ª e 4ª RAJs

Prazo é de mais um ano.           O Tribunal de Justiça de São Paulo prorrogou por mais um ano o prazo de validade do concurso para o cargo de escrevente técnico judiciário na 1ª e 4ª Regiões Administrativas Judiciárias. A decisão foi publicada na edição de hoje (15) do Diário da Justiça Eletrônico (DJE).         O concurso foi homologado em 11/12/17, com de validade de um ano. Foi prorrogado por igual período, até 10/12/19. Das 590 vagas previstas, restam 14 ainda a serem preenchidas. Além disso, há 2.537 candidatos habilitados e que remanescem sem nomeação. O edital do concurso prevê que poderão ser abrangidos os cargos vagos que vierem a ser criados no decorrer da validade do concurso, dependendo do interesse do serviço e da disponibilidade orçamentária. De acordo a Secretaria de Gestão de Pessoas do TJSP há 3.825 cargos vagos de escrevente técnico judiciário em toda a Corte.         Mesmo com os pedidos de aposentadoria e de exonerações, a Presidência suspendeu novas nomeações, pois o Tribunal paulista foi surpreendido com a decisão da Secretaria do Tesouro Nacional que alterou a base de cálculo da receita corrente líquida dos Estados, o que subitamente obrigou a Corte a tomar medidas no sentido de se evitar a superação do limite estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal.         “Assim, diante da inviabilidade de provimento dos cargos vagos na pendência do impedimento ocasional acima relatado, de rigor a prorrogação do prazo de validade do concurso por mais um ano”, escreveu em sua decisão o presidente do TJSP, desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças. “Trata-se de medida razoável e proporcional diante da excepcionalidade da circunstância determinante de sua adoção necessária considerando a morosidade da solução alternativa de abertura de novo concurso público, tudo a evidenciar a convergência com o interesse público”, concluiu.                    imprensatj@tjsp.jus.br
15/08/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.